30/04/2014

25 de abril...40 anos depois!

Para quem o viveu, o dia 25 de abril de 1974 foi único, irrepetível. O futuro nascia ali, carregado de promessas e possibilidades. Lisboa esteve no epicentro dos acontecimentos. À cidade afluíram milhares de pessoas que queriam ver, participar. A Televisão e os jornais captaram e difundiram imagens que hoje são relembradas com nostalgia e também com simpatia pelo entusiasmo colectivo e  quase inocente.
Hoje em Portugal, passados 40 anos da Revolução vemos pessoas que falam do 25 de Abril de um modo tímido, ou com receio de ferir susceptibilidades, acerca do passado, e cada vez mais fazem parecer que se está no 24 de Abril, sobre tudo falam com muito cuidado, mas afinal medo de quê, da verdade ou da frontalidade com o que de facto se pensa e crê, mesmo correndo o risco de se estar errado, ligeiramente errado, ou errado de todo? Ou falta-lhes coragem de defender um regime de exceção ou da desilusão de uma democracia que parece ter construído uma sociedade que parece que não é para todos igual? Ora a liberdade de expressão e de pensamento são componentes inalienáveis a uma verdadeira cidadania, da qual se faz verdadeiramente um pais.
O 25 de Abril veio permitir, tentar corrigir erros, mas Quarenta Anos depois, os ideais foram esquecidos, as conquistas de Abril perderam-se e a democracia não chegou a atingir o seu ápice; As gerações mais novas não lhe dão hoje o devido valor, pois não sabem o sabor da liberdade, no exato momento em que se a conquistou e não sabem ver nos sinais mais atuais o perigo de se a perder de novo, sem sequer darmos por isso.

Contudo comemorar Abril, não é comemorar os erros que foram feitos, comemorar Abril é lembrar que hoje a liberdade é uma responsabilidade de cada um, como cidadão e que o futuro do nosso país passa indubitavelmente pela nossa responsabilidade. Sobretudo quando paira sobre a Europa o perigo do Neofascismo, que cada vez mais ganha força, com discursos racistas, xenófobos e antissemitas.

Vamos hoje tentar manter vivo o ideal de Abril; da liberdade da democracia, sem medos e sem receios.

Nuno Santos
Professor de História da EB 23 de Tortosendo

Agrupamento de Escolas Frei Heitor Pinto









Sem comentários:

Enviar um comentário

Licença Creative Commons
O trabalho Blogue das Bibliotecas de Tortosendo foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Portugal.